sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

2006

O ano de 2006 começou como terminou o ano de 2005. Os veículos de mídia do grupo Sarney desinformaram e caluniaram com fúria. Atacaram a mim e ao meu governo quase sempre utilizando mentiras, invenções de fatos, diálogos que jamais aconteceram, isso quando não partiam para o insulto e a difamação. E passaram também a publicar “pesquisas” colocando Roseana Sarney como impossível de ser derrotada. Pretendiam assim esmorecer os indecisos e amedrontar a classe política que, eles sabiam, tiveram tratamento aviltante por parte do governo de Roseana Sarney e se tivessem uma saída confiável não votariam mais nela.

Eu sabia disso porque conversava constantemente com prefeitos e deputados e tinha conhecimento da existência desse forte sentimento dominante no meio político.

Assim tínhamos a valiosa informação de que embora as pesquisas informassem a força da ex-governadora sabíamos que o nosso era um movimento que iria crescer desde que não cometêssemos erros graves. Para furar o bloqueio midiático da Mirante, nós tínhamos os dados e as provas do desleixo e da falta de seriedade de um grupo que nunca procurou resolver os problemas básicos do estado e de seu povo e o programa eleitoral nos daria a mídia de que tanto precisávamos para mostrar tudo isso ao eleitor maranhense.

Com ajuda das pesquisas qualitativas armamos a estratégia que se mostrou acertada e vitoriosa, embora tenha sido recebida com desconfiança e sem apoio.

A derrota foi tão fragorosa e inesperada que o grupo nunca mais conseguiu se reagrupar. E hoje abandona o jogo político, forçado pela falta de votos, e vê como única tábua de salvação tentar tomar o mandato do governador Jackson Lago no tapetão. Para isso, utiliza um processo forjado nas caladas da noite, sujo do começo ao fim, uma reedição piorada do famoso caso Reis Pacheco, usado em eleição anterior em que também a candidata do grupo era Roseana.

O ano de 2006 ficou para sempre na história do Maranhão, porque foi ali que a esperança ganhou do medo.

5 comentários:

celso marques disse...

SEnhor governador, o momento épreocupante, pois sabemos que o imperador do maranhão é capaz de tudo para voltar ao governo do Estado, mas acredito que apopulação jamais aceitará tamanha brutalidade que é tomar o mandato do governador Jackson Lago, conquistado democraticamente nas urnas.Será que vamos aceitar ser governado por:João Alberto,Jorge Murad, Ricardo Murad & cia?não merecemos!

Anônimo disse...

SR ze reinaldo estou muite triste com tudo isso que esta acontecendo aqui no maranhao ficou noite sem dormim pessando na volta desse pessoal ao poder nos tanto que lutamos para essa pesoal sair de la ate que conseguimos mais o nosso sonho parecer que vai acaba mais no mesmo instante penso 2010 vai ta ai com nosso voto esse sarney vai pagar pro tudo

Gustavo Lopes disse...

MEU VOTO É MINHA LEI! O MARANHÃO NÃO AGUENTA MAIS SARNEY. VAMOS A LUTA ETERNO GOVERNADOR É O MEU O SEU SOMOS 1.393,400 MARANHENSES QUE NÃO QUER MAIS VER SARNEY. NÃO DEFENDO NINGUÉM MAS MEU VOTO QUE FOI LIVRE E CONSCIENTE E POR TANTO MERECEDOR DE TODO RESPEITO POR PARTE DOS DERROTADOS COMO DA CORTE ELEITORAL, NA GUERRA!!!!

Falcão7 disse...

O grupo politico do senador Sarney está radiante diante da eminência cassação do governador Jackson Lago. Dizem sem rodeios que o governador será cassado desde que entraram com ação no TSE, isto é, a dois anos, data que tiveram o cetro tirado das mãos nefastas, que o segurou por quatro décadas. Seus meios de comunicação durante este período, marcaram e desmarcaram a saída do governador, eleito pelo voto do POVO do Maranhão, numa clara demonstração de desrespeito pelo do eleitor. Logo eles que em 94 para eleger quem Jackson derrotou teve que enganar a população, colocando um "cadaver" no colo, do hoje aliado, Cafeteira. Isso mostra quão sem escrúpulos essa gente é movida, e não mede esforços, quando o assunto é a permanência o Poder. O Maranhão que o senador diz ser sua paixão, nada mais é para essa gente, que um eterno cais, onde embarcam e desembarcam seus projetos politicos, visando agradar quem está no comando do país. Nunca se preocuparam com os estivadores (POVO) que deram todo seu suor para que eles enriquecessem. Mas a recompensa aos estivadores foi o aumento da carga de trabalho, e sem direito a receber hora extra. Dizem que esse porto que hoje serve para ancorar os graneleiros, foi uma visão futurista de um capitão mor, e com isso enganam os estivadores, pois o retrógrado capitão apenas copiou as Cartas Marítimas, do século XVIII, quando a mesma rota era usada pelos europeus que vinham nos explorar. Esse 'capitão' que perdeu seu leme entre a Baia de São Marcos e São José tenta recuperá-lo através de imediatos, aptos a pisarem em terra firme, para que posam prosar acomodados nos Fardões da ABL. Não sabe o capitão mor que aqui nós somos ímpar e que não fomos colonizados como seus pais e avós pela corte de Lisboa e sim pela França Equinocial de Luís, que deu o nome a nossa Ilha. Portanto 'capitão' fique certo de uma coisa: Assim como nossos fundadores derrubaram a Bastilha e esta nunca mias se ergueu, o mesmo destino lhe está reservado, pois, tal como lá nunca mais se erguerá aqui. Vamos a luta governador, de fato e de direito, JACKSON LAGO.

jsb disse...

http://jsbsaoluis.blogspot.com/ Governador acesse o novo blog da JSB - JUVENTUDE SOCIALISTA BRASILEIRA DE SÃO LUIS.......

Hilton Pinheiro
Presidente